sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Indignação dos concorrentes ao concurso seduc 2015

E a indignação dos concorrentes ao concurso seduc 2015 não param, veja o professor julio Sales mostrando como a Fundação que operacionalizou o concurso respondeu ao seu recurso


"
Vejam como a brilhante, responsável, séria e idônea Fundação Sousândrade justifica um indeferimento de recurso!!!
Ps. Não é brincadeira! - de minha parte!
"

Foto de Julio Sales.

Ministério Público e Governo do Maranhão discutem problemas em concurso para professor!

Feed de Notícias

PLANTÃO DE NOTÍCIAS
Ministério Público e Governo do Maranhão discutem problemas em concurso para professor!
(...)
Um levantamento minucioso, realizado pela equipe de pedagogas e assessoria jurídica das Promotorias de Justiça de Defesa da Educação de São Luís, identificou pelo menos 25 questões com indícios de plágio. Na parte comum a todos os cargos, foram consideradas sob suspeita 8 das 30 questões, o que representa aproximadamente 26% da prova aplicada a todos os candidatos....
Também foram identificados problemas nas provas de conhecimentos específicos nas áreas de Arte, Língua Inglesa, Física e Geografia. No caso da prova de Física, por exemplo, oito das quarenta questões (20%) têm indícios de plágio.
Todo o levantamento realizado foi entregue aos representantes do Estado e da Fundação Sousândrade, realizadora do concurso, para análise. O prazo para que seja apresentado um posicionamento ao Ministério Público encerra-se no dia 15 de fevereiro.
De acordo com o promotor Paulo Silvestre Avelar Silva, a existência de questões copiadas de outras provas fere os princípios da igualdade de condições entre os candidatos e da moralidade. A partir da resposta apresentada pelo Executivo Estadual e Fundação Sousândrade, o Ministério Público tomará as medidas cabíveis.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Professores farão protesto por reajuste salarial em frente ao Palácio dos Leões

Flavio e Edivaldo
Em 2014 os professores da rede municipal ficaram de braços cruzados por 105 dias pois o prefeito Edivaldo não queria reajustar o piso salarial. Na época professores ocuparam a prefeitura por 21 dias.

Flavio e Edivaldo contra a educação

O Movimento de Resistência dos Professores (MRP) está convocando a categoria para reivindicar o reajuste nos salários. O ato acontecerá na sexta-feira (29), às 8h em frente ao Palácio dos Leões, sede do governo estadual.

A categoria reivindica o reajuste de 11,36%, estabelecido pelo Ministério da Educação (MEC) para o piso nacional do magistério.

Dia 14/1/16 o MEC anunciou o novo piso no valor de 2.135,64 (aumento de 11,36%). Prefeitos e governadores queriam que o reajuste fosse adiado pra agosto e o índice fosse 7,41% e não 11,36% como prêve a lei. O reajuste, concedido anualmente é divulgado em janeiro.

Desde o dia que foi divulgado o percentual de reajuste, o governador Flávio Dino (PC do B), prefeito Edivaldo Holanda (PDT), presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma), Júlio Pinheiro (PC do B) e a presidente do Sindieducação, Elizabeth Ribeiro, estão em silêncio sepulcral.

Por conta disso, a categoria está se mobilizando nas redes sociais e fazendo a convocação para protestar contra o governo estadual e municipal.

Veja abaixo a convocação feita pelo professor Antonísio Furtado.

Estamos a 5 dias do término de janeiro e o nosso direito ao reajuste do piso está muito próximo de não ser respeitado pelo governador e o prefeito de São Luis. Esses dois senhores se esquivam da sua responsabilidade e usam de vários subterfúgios para não tocar nesse assunto.

Alguém viu ou ouviu algum deles falar desse assunto recentemente? Como se isso não bastasse, esse ano, há um movimento nacional de prefeitos e governadores defendendo a concessão do reajuste do piso somente em agosto. Estranhamente as posturas dos presidentes e das diretorias do SINPROESEMMA e SINDEDUCAÇÃO são no mínimo suspeitas, pois nesses momentos decisivos essa turma se afasta da categoria e faz de tudo para não deflagrar a luta em defesa dos nossos direitos.

Não precisamos fazer um grande esforço para perceber que isso é intencional e qual lado visa favorecer. Professor/a, nosso contexto é por demais desafiador, estamos não entre governo e direções sindicais, pois eles lutam do mesmo lado e perseguem objetivos semelhantes.

Nosso dilema é escolher entre a indignação ou a resignação e entre fazer ou não a luta. Apesar de todas as dificuldades nós defendemos a luta, pois somente através dela podemos fazer valer nossos direitos. Por ultimo eu ressalto: Todo sindicato é constituído por uma diretoria (minoria) e base ( maioria).

Não faz sentido nossa categoria ficar refém de uma minoria que defende interesses particulares e também de governos. o sindicato somos nós, a nossa luta e a nossa voz. ”

Dia 29/01 (sexta feira) será nosso dia de luta unificada (estado e município). Concentração a partir das 8h, no Palácio dos
Leões.


http://hiltonfranco.com.br/professores-farao-protesto-por-reajuste-salarial-em-frente-ao-palacio-dos-leoes/

domingo, 22 de novembro de 2015

Fundo de pensão americano comprou terras irregularmente no Brasil, diz The New York Times


http://www.cptnacional.org.br/index.php/publicacoes/noticias/conflitos-no-campo/2982-fundo-de-pensao-americano-comprou-terras-irregularmente-no-brasil-diz-the-new-york-times




Publicado: Sexta, 20 Novembro 2015 22:23 | Escrito por Super User




Gigante financeira norte-americana e parceiros brasileiros “despejaram centenas de milhões de dólares em aquisição de terras aráveis no Cerrado”, ressalta matéria, que ainda destaca os conflitos por terra e a relação dessas empresas com grileiros nos estados de Maranhão e Piauí




(Por Simon Romero, Do The New York Times)
Gigante norte-americana do investimento que administra as contas de aposentadoria de milhões de funcionários de universidades, professores de escolas públicas e outros trabalhadores, a TIAA-Cref se orgulha de promover valores socialmente responsáveis, e celebra sua participação no processo de redação dos princípios das Nações Unidas para compra de terras agrícolas, com o objetivo de promover a transparência, sustentabilidade ambiental e respeito pelo direito à terra.
Mas documentos demonstram que as incursões da TIAA-Cref à fronteira agrícola brasileira podem ter avançado na direção oposta.
A gigante financeira norte-americana e seus parceiros brasileiros despejaram centenas de milhões de dólares em aquisição de terras aráveis no cerrado, uma imensa região à beira da floresta amazônica na qual vem acontecendo desmatamento em larga escala para expansão da agricultura, o que alimenta preocupações ambientais.
Em uma complicadíssima empreitada, o grupo financeiro norte-americano e seus parceiros acumularam vastas propriedades agrícolas novas, a despeito da decisão do governo brasileiro, em 2010, de proibir participação estrangeira em transações dessa escala.
Embora a ação governamental tenha bloqueado as ambições de outros investidores estrangeiros, a TIAA-Cref levou adiante suas intenções em uma parte do Brasil onde grassam os conflitos de terras, o que expõe a empresa e seus parceiros a acusações de que adquiriram terras de um especulador de credenciais suspeitas, acusado de empregar pistoleiros para roubar terras de agricultores pobres.
Os documentos possibilitam vislumbrar como um dos maiores grupos financeiros dos Estados Unidos participou daquilo que muita gente nos países em desenvolvimento define como apropriação indevida de terras. Respondendo à disparada no interesse internacional por terras no país, o ministro da Justiça brasileiro em 2010 limitou significativamente a participação de estrangeiros em aquisições de terras agrícolas em larga escala.
Investidores ocasionalmente encaram esse tipo de transação como maneira de diversificar suas carteiras. Mas alguns funcionários de governos e ativistas afirmam que elas resultam na expulsão de agricultores pobres, na transferência do controle de recursos vitais de produção de alimentos a uma elite mundial, e na destruição de tradições agrícolas em troca de plantações em escala industrial que produzem comida para exportação.
"Já tinha ouvido falar de fundos estrangeiros tentando contornar a legislação brasileira, mas algo nessa escala é espantoso", disse Gerson Teixeira, presidente da Associação Brasileira de Reforma Agrária e assessor de congressistas brasileiros, se referindo aos documentos sobre as aquisições de terras aráveis brasileiras pela TIAA-Cref.
Algumas das constatações são parte de um novo relatório por pesquisadores da Rede Social pela Justiça e Direitos Humanos, uma organização brasileira, e da Grain, uma organização sediada na Espanha que acompanha as aquisições mundiais de terras.
JOINT VENTURE COM A COSAN
As revelações sobre a TIAA-Cref demonstram que suas terras aráveis no Brasil chegaram aos 256.324 hectares em 2015, ante 104.359 em 2012, mais ou menos o momento em que a empresa começou a expandir suas transações, conduzidas por meio de uma joint venture com a Cosan, gigante brasileira do açúcar e biocombustíveis.
Stewart Lewack, porta-voz da TIAA-Cref, concordou em revisar diversos aspectos da complexa estruturação dessas transações, mas se recusou a discutir as aquisições de terras aráveis de forma direta. Ele intermediou outros contatos com executivos da Cosan, controlada por Rubens Ometto, bilionário cuja família opera no setor do açúcar desde os anos 30.
"A Cosan tem 70 anos de história na administração de terras agrícolas no Brasil, e tem compromisso para com elevados padrões de responsabilidade no investimento por meio das entidades que controla", afirmou uma porta-voz da Cosan em declaração.
As duas empresas começaram a adquirir terras aráveis no Brasil em 2008, depois de formar uma joint venture chamada Radar Propriedades Agrícolas, com 81% de participação de uma subsidiária da TIAA-Cref e 19% da Cosan. Embora a Cosan informe às autoridades brasileiras que controla a joint venture por meio de seu assento no conselho da empresa, a TIAA-Cref mlista a Radar como uma das "afiliadas nas quais temos participação majoritária".
Então surgiram as medidas brasileiras de repressão a aquisições de terras aráveis por estrangeiros, em 2010, um período de crescente nacionalismo quanto aos recursos naturais do país, exemplificado pelos esforços de impor maior controle ao setor de energia.
Na agricultura, as mudanças envolviam limitar a 5.000 hectares as vendas de terras a estrangeiros, a proibição a que eles controlassem mais de 25% das terras de qualquer município e a imposição de limites às operações de subsidiárias brasileiras de empresas estrangeiras.
"As medidas impuseram um freio ao investimento estrangeiro em terras brasileiras", diz Kory Melby, norte-americano que oferece consultoria a investidores em agricultura no Brasil.
Mas em lugar de reduzir a escala de suas operações, a TIAA-Cref intensificou as aquisições de terras agrícolas brasileiras, se concentrando especialmente na fronteira agrícola dos Estados nordestinos do Maranhão e Piauí. Em 2012, a empresa criou um fundo mundial cujo foco era a compra de terras agrícolas no Brasil, Austrália e Estados Unidos, atraindo investimentos de fundos de pensão suecos e canadenses.
José Minaya, executivo da TIAA-Cref que responde pelos investimentos do grupo em terras agrícolas, defende esse tipo de transação, afirmando que elas são uma maneira de adquirir "um recurso finito" em um momento de crescente demanda mundial por alimentos.
"O Brasil nos oferece diversificação em termos de safras e climas", disse Minaya a investidores em um vídeo sobre aquisição de terras agrícolas no maior país da América Latina.
Por conta da limitação ao investimento estrangeiro imposta em 2010, a TIAA-Cref e seus parceiros brasileiros criaram uma joint venture financeira para adquirir terras agrícolas. O grupo norte-americano detém 49% e a Cosan tem 51% de participação na empresa, de acordo com documentação apresentada às autoridades regulatórias brasileiras.
Embora o novo empreendimento no papel pareça ser uma empresa separada, na prática é difícil distingui-lo da parceria precedente. As duas compartilham de muitos dos mesmos funcionários e executivos de primeiro escalão, e funcionam em escritórios na avenida Juscelino Kubitschek, em São Paulo, de acordo com pessoas conhecedoras das operações.
Além disso, o financiamento para as aquisições de terras agrícolas provém primariamente de subsidiárias da TIAA-Cref, em uma espécie de empréstimo que pode ser convertido em ações, de acordo com a documentação apresentada às autoridades regulatórias. Os pesquisadores da Grain argumentam que essa estrutura empresarial torna possível à TIAA-Cref ocultar o controle que ela exerce sobre as terras agrícolas adquiridas.
"Eles podem dizer o que quiserem sobre o controle, mas a questão é que" essas estruturas "foram criadas apenas com o propósito de canalizar fundos da TIAA-Cref para terras agrícolas no Brasil", disse Devlin Kuyek, pesquisador sênior da Grain.
Em declaração, a Cosan contesta essa posição. "Em todas as suas aquisições", a joint venture "segue rigorosamente a legislação em vigor", a companhia afirmou.
Os ativistas não acusam a TIAA-Cref e a Cosan de promoverem diretamente o desmatamento do cerrado. Em lugar disso, afirmam que as empresas adquiriram terras que já haviam sido desmatadas e obtidas por especuladores que podem ter usado táticas impiedosas.
RELAÇÕES COM GRILEIRO
O relatório da Grain registra como a TIAA-Cref e a Cosan parecem ter adquirido diversas fazendas controladas por Euclides de Carli, uma figura nebulosa do mundo dos negócios descrito por legisladores, estudiosos, e agricultores espoliados brasileiros como um dos mais poderosos "grileiros" dos Estados do Maranhão e Piauí.
Os grileiros são conhecidos por suas táticas de prestidigitação burocrática, entre as quais a falsificação de títulos de propriedade rural guardados em latões cheios de insetos, o que os faz parecer antigos e explica o apelido. Alguns grileiros também forçam agricultores a abandonar suas terras de diversas maneiras, o que inclui intimidar os ativistas que lutam pelo direito à terra e até assassinar agricultores pobres.
No caso de Carli, estudiosos brasileiros já descreveram como ele forçou dezenas de famílias a abandonar suas terras, usando táticas como a destruição de safras ou a queima da casa de um líder comunitário. Um proeminente legislador maranhense também acusou Carli de orquestrar o assassinato de um trabalhador rural por conta de uma disputa de terras.
Carli, que já foi alvo de investigações oficiais por suas compras de terras, não respondeu a pedidos de comentário. Em comunicado, a Cosan reconheceu que sua joint venture havia adquirido terras controladas por Carli, mas insistiu em que uma revisão abrangente em nível municipal, estadual e federal não havia identificado "qualquer processo criminal em nome do Sr. Euclides de Carli".
"A avaliação conduzida", afirmou a Cosan, "precisa observar documentos oficiais e informações que baseiem a segurança da aquisição".
Mas promotores públicos que conhecem a atuação de Carli ainda assim expressaram surpresa por investidores proeminentes realizarem esse tipo de transação quando uma simples busca na Internet revela uma longa lista de acusações de apropriação indébita de terras contra Carli.
"Euclides de Carli é um dos principais grileiros da fronteira agrícola brasileira", disse Lindonjonson Gonçalves de Sousa, promotor público que investigou as transações de terras de Carli. "Não deveria ser segredo para pessoa alguma que ele tem presença proeminente nos conflitos de terra na região".
Tradução de PAULO MIGLIACCI/Reprodução Folha de S.Paulo




Anterior Próxima

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Sebastião Uchoa comenta transferências de Delegados-Inamovibilidade necessária

Sebastião Uchôa
1 h · Editado ·
Inamovibilidade de Delegados e falta de autonomia da Polícia Civil:tudo se repete...
O perigo de os Delegados de Polícia não terem inamovibilidade é o que estamos assistindo: o Executivo brinca de lotação e exercícios deles ao seu bel prazer e conveniências políticas ou até mesmo em caráter de cunho pessoal, às vezes por meio de seus intermediários assessores.
Penso que a Associação Nacional dos Delegados de Polícia -Adepol Do Brasil, deveria fincar essa bandeira a fim de conquistar essa prerrogativa,pois nos damos com tantos casos de altíssimas complexidades, sobretudo com interesses altos envolvendo investigados e seu beneficiários que resultam em riscos à Justiça e até à dignidade desses profissionais, especialmente nos campos morais, éticos e até a exposição à vulnerabilidade no que tange à integridade física diante de histórico profissional de combate à criminalidade.
Recentemente acionei a nossa entidade de classe (ASSOCIAÇÃO DOS DELEGADOS DE POLÍCIA CIVIL DO MARANHÃO -ADEPOL/MA) denunciando um grave caso ocorrido e lhe pedindo providências, onde até o presente como nada fizera, fomos surpreendidos com a estranha e direcionada remoção em menos de dez meses de lotação, sem qualquer motivação administrativa, inclusive nos colocando em sério risco à integridade física, dando ensejo a uma série de interpretações, particularmente para se ver "livre" ao estilo que fizeram com o falecido Stenio Mendonça(pelas investigações da época, muitos sabiam que o referido delegado estava cotado a morte assassinada) ou uma imaturidade pela falta de preparo administrativo a altura? Precisam explicar isso além do poder discricionário da gestão.
Lembramos que a falta de autonomia para o cargo de Delegado Geral(tipo Chefe de Polícia) no Maranhão e até em outros estados da Federação, gera o que o atual Secretário de Segurança Pública do Maranhão, dizia nas reuniões da nossa entidade de classe e nos corredores da própria da SSP que a figura do Delegado Geral da época do ex-secretário Cutrim (reservarei não citar o nome para não expô-lo mais que já fora exposto naquela época) funcionava como "um jarro em cima da mesa".
O que mais pasma é que a sensação é que estamos revivendo aquelas palavras do Secretário de Segurança Pública do Maranhão em tempos atuais, e o silêncio de alguns e da própria entidade de classe nos incomoda profundamente, pois, ou reajamos de forma incisiva,ou nos reduziremos a meros objetos de manipulação ou subserviência funcional e estrutural à situação que tanto tem denegrido a imagem da Classe dos Delegados de Polícia no estado e especialmente em nossa capital nesses últimos tempos,já que estamos vivenciado um clima de orfandade de comando preocupante em todos os sentidos. Escutamos isso de vários colegas que não querendo se expor, terminam expondo o todo pelas omissões.
A situação é tão gritante que vemos facilmente as figuras do livro "A REVOLUÇÃO DOS BICHOS", onde tão logo o porco Napoleão tomou o poder das mãos dos humanos e instalou a "republica dos bichos", reproduziu os mesmo comportamento dos tiranos humanos, onde, ao final do livro ninguém mais sabia quem era homem ou o porco na história, pois as condutas se convergiram tanto, que a simetria se fez em igualdade plena. É o que nos leva a pressentir.
O que mais nos conforta é que sabíamos desses medíocres comportamentos, mas nunca os reproduzimos enquanto passamos em vários estágios de comando na estrutura da Polícia Civil, Secretaria Adjunta da então SEJUC e até Secretaria de Estado,inclusive chegamos a enfrentar várias chefias(não lideranças) somente com a força de nossos caráter e posturas independentes, ou seja, cargos não subiam e subiram às nossas cabeças, principalmente porque sempre entendíamos que acima de tudo precisávamos nos respeitar como classe e membros de uma corporação republicana em todos os sentidos. Pena que o tempo passou e muitos não perceberam e absorveram nossos exemplos. Pena....

Cidades e Soluções: a Cúpula da ONU sobre o Desenvolvimento Sustentável

http://g1.globo.com/globo-news/cidades-e-solucoes/videos/t/cidades-e-solucoes/v/cidades-e-solucoes-a-cupula-da-onu-sobre-o-desenvolvimento-sustentavel/4501624/

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

SINDJUS-MA é recebido pelo Governo do Estado, após realizar grande passeata em São Luís

http://www.sindjusma.org/subpage.php?id=3007_sindjus-ma-recebido-pelo-governo-do-estado-ap-s-realizar-grande-passeata-em-s-o-lu-s.html#

%2Breuniao.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;">
Reunião com o governo do estado aconteceu somente após a grande passeata realizada pelas ruas do Centro de São Luís
A Passeata da Vitória realizada na manhã de hoje, 21, pelos servidores do Judiciário do Maranhão, pelas ruas de São Luís se encerrou com a Diretoria do Sindicato dos Servidores da Justiça do Maranhão - SINDJUS/MA sendo recebida no Palácio dos Leões pelo Secretário de Articulação Política do Governo do Maranhão, Márcio Jerry, por ordem do governador Flavio Dino (PCdoB), para discutir as reivindicações da categoria.

Os diretores do SINDJUS/MA Pedro Davi, Janira Teixeira, Rivelino Pereira e Aníbal Lins trataram com o Secretário Márcio Jerry sobre o pedido de suplementação orçamentária de 48 milhões de reais feito pela Presidência do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) para pagar as perdas inflacionárias dos servidores do Judiciário, referentes ao período de janeiro a dezembro de 2014, motivo da greve geral da categoria, que completou hoje o seu oitavo dia.

De acordo com o secretário Márcio Jerry, o governo do estado este ano já suplementou o orçamento do TJMA por mais de uma vez, razão pela qual tem dificuldades de fazer uma nova suplementação ainda que pagar a reposição das perdas inflacionárias reivindicadas pelos servidores em greve.

Segundo Márcio Jerry, o governo disponibilizará ao SINDJUS-MA cópias de todos os documentos que comprovam o montante de recursos suplementados para o orçamento do Tribunal de Justiça este ano para as providências que o sindicato julgar cabíveis.

MESA DE NEGOCIAÇÃO

Diante do exposto pelo Secretário de Governo, os dirigentes do SINDJUS-MA sugeriram a formação de uma mesa de negociação tri-partite, composta por representantes do Executivo, do Tribunal de Justiça e do Sindicato, com o objetivo de encontrar uma solução para o problema que levou os servidores do Judiciário a deflagrarem greve geral.

Segundo o Presidente do SINDJUS-MA, Aníbal Lins, o Tribunal de Justiça pagou 14,6% de reajuste dos subsídios dos juízes e, até o momento, não pagou a reposição inflacionária dos servidores no índice de 6,3%, sob a alegação de não ter orçamento para isso. “Mas existem procedimentos estabelecidos na Lei de Responsabilidade Fiscal visando garantir as condições orçamentárias para que os entes públicos não deixem de cumprir com a sua obrigação constitucional de repor as perdas inflacionárias dos servidores e nem descumprir as decisões judiciais. Dentre esses procedimentos estão a suspensão de novas contratações, o que no nosso entendimento inclui a nomeação de novos magistrados, e o enxugamento do quadro comissionado”, disse o sindicalista.

O presidente do SINDJUS-MA, Aníbal Lins foi enfático ao defender a proposta dos servidores do judiciário. "A nossa proposta é que o governo , TJ e Sindicato sentem para discutir a possibilidade do Tribunal de Justiça realizar ajustes no seu próprio orçamento, nos termos estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, de modo a garantir as condições necessárias de pagamento das nossas Perdas Inflacionárias. Se mesmo assim não houver condições do Tribunal de Justiça arcar sozinho com essa obrigação constitucional, então que o Executivo informe como fará para suplementar o que faltar no orçamento do TJ. De nossa parte, estamos abertos a contribuir para uma solução razoável para o problema. Porém que resguarde um direito constitucional dos servidores, assegurado também pela Lei de Responsabilidade Fiscal", disse.

Aníbal Lins informou ainda que, na próxima quinta-feira (29/10), o TJMA tem reunião agendada da comissão responsável por deliberar sobre o envio do projeto de lei das Perdas Inflacionárias dos servidores para a Assembleia Legislativa. "Até lá, poderíamos nos reunir para encontrar uma solução para o problema", completou.

O Secretário Márcio Jerry se dispôs a conversar com a SEPLAN (Secretaria Estadual de Planejamento) e a direção do Tribunal de Justiça e com o próprio SINDJUS-MA, no intuito de tentar construir uma solução de consenso para o problema. Mas, além de frisar que o Governo do Maranhão já realizou várias suplementações este ano para o Tribunal de Justiça, atravessa, no momento, uma queda da sua arrecadação, o que dificulta o atendimento imediato desse novo pedido de suplementação feito pelo Judiciário.

Os sindicalistas agradeceram a oportunidade do encontro e ficarão no aguardo do retorno do Secretário Márcio Jerry, após contatos deste com a direção do Tribunal de Justiça e com a SEPLAN.

A reunião dos dirigentes do SINDJUS-MA com o Secretário de Governo Márcio Jerry foi acompanhada pelos presidentes da Força Sindical, Frazão, e da UGT-MA, Weber Henrique Marques.


A GREVE CONTINUA

Nesta quinta-feira, 22, a GREVE GERAL dos servidores do Judiciário continuará a todo vapor, tanto na capital, como em todas as comarcas do interior do estado.

O Comando de Greve do SINDJUS-MA reitera a orientação de que os servidores respeitem a continuidade do serviço público e a manutenção das atividades essenciais em funcionamento para atendimento à população em todas as comarcas do estado, enquanto durar a greve geral da categoria pelo pagamento das perdas inflacionárias de 6,3%.

Em São Luís, o ponto de encontro nesta quinta-feira será em frente ao Fórum Desembargador Sarney Costa, no Bairro do Calhau. "Uma nova passeata e/ou carreata já está sendo preparada pelo comano de greve para a próxima semana. Pedimos a todos os servidores do Judiciário maranhense que aguardem mais informações sobre as próximas atividades da greve, através do site do SINDJUS-MA", finalizou Aníbal Lins.
Reunião com o governo do estado aconteceu somente após a grande passeata realizada pelas ruas do Centro de São Luís
A Passeata da Vitória realizada na manhã de hoje, 21, pelos servidores do Judiciário do Maranhão, pelas ruas de São Luís se encerrou com a Diretoria do Sindicato dos Servidores da Justiça do Maranhão - SINDJUS/MA sendo recebida no Palácio dos Leões pelo Secretário de Articulação Política do Governo do Maranhão, Márcio Jerry, por ordem do governador Flavio Dino (PCdoB), para discutir as reivindicações da categoria.

Os diretores do SINDJUS/MA Pedro Davi, Janira Teixeira, Rivelino Pereira e Aníbal Lins trataram com o Secretário Márcio Jerry sobre o pedido de suplementação orçamentária de 48 milhões de reais feito pela Presidência do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) para pagar as perdas inflacionárias dos servidores do Judiciário, referentes ao período de janeiro a dezembro de 2014, motivo da greve geral da categoria, que completou hoje o seu oitavo dia.

De acordo com o secretário Márcio Jerry, o governo do estado este ano já suplementou o orçamento do TJMA por mais de uma vez, razão pela qual tem dificuldades de fazer uma nova suplementação ainda que pagar a reposição das perdas inflacionárias reivindicadas pelos servidores em greve.

Segundo Márcio Jerry, o governo disponibilizará ao SINDJUS-MA cópias de todos os documentos que comprovam o montante de recursos suplementados para o orçamento do Tribunal de Justiça este ano para as providências que o sindicato julgar cabíveis.

MESA DE NEGOCIAÇÃO

Diante do exposto pelo Secretário de Governo, os dirigentes do SINDJUS-MA sugeriram a formação de uma mesa de negociação tri-partite, composta por representantes do Executivo, do Tribunal de Justiça e do Sindicato, com o objetivo de encontrar uma solução para o problema que levou os servidores do Judiciário a deflagrarem greve geral.

Segundo o Presidente do SINDJUS-MA, Aníbal Lins, o Tribunal de Justiça pagou 14,6% de reajuste dos subsídios dos juízes e, até o momento, não pagou a reposição inflacionária dos servidores no índice de 6,3%, sob a alegação de não ter orçamento para isso. “Mas existem procedimentos estabelecidos na Lei de Responsabilidade Fiscal visando garantir as condições orçamentárias para que os entes públicos não deixem de cumprir com a sua obrigação constitucional de repor as perdas inflacionárias dos servidores e nem descumprir as decisões judiciais. Dentre esses procedimentos estão a suspensão de novas contratações, o que no nosso entendimento inclui a nomeação de novos magistrados, e o enxugamento do quadro comissionado”, disse o sindicalista.

O presidente do SINDJUS-MA, Aníbal Lins foi enfático ao defender a proposta dos servidores do judiciário. "A nossa proposta é que o governo , TJ e Sindicato sentem para discutir a possibilidade do Tribunal de Justiça realizar ajustes no seu próprio orçamento, nos termos estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, de modo a garantir as condições necessárias de pagamento das nossas Perdas Inflacionárias. Se mesmo assim não houver condições do Tribunal de Justiça arcar sozinho com essa obrigação constitucional, então que o Executivo informe como fará para suplementar o que faltar no orçamento do TJ. De nossa parte, estamos abertos a contribuir para uma solução razoável para o problema. Porém que resguarde um direito constitucional dos servidores, assegurado também pela Lei de Responsabilidade Fiscal", disse.

Aníbal Lins informou ainda que, na próxima quinta-feira (29/10), o TJMA tem reunião agendada da comissão responsável por deliberar sobre o envio do projeto de lei das Perdas Inflacionárias dos servidores para a Assembleia Legislativa. "Até lá, poderíamos nos reunir para encontrar uma solução para o problema", completou.

O Secretário Márcio Jerry se dispôs a conversar com a SEPLAN (Secretaria Estadual de Planejamento) e a direção do Tribunal de Justiça e com o próprio SINDJUS-MA, no intuito de tentar construir uma solução de consenso para o problema. Mas, além de frisar que o Governo do Maranhão já realizou várias suplementações este ano para o Tribunal de Justiça, atravessa, no momento, uma queda da sua arrecadação, o que dificulta o atendimento imediato desse novo pedido de suplementação feito pelo Judiciário.

Os sindicalistas agradeceram a oportunidade do encontro e ficarão no aguardo do retorno do Secretário Márcio Jerry, após contatos deste com a direção do Tribunal de Justiça e com a SEPLAN.

A reunião dos dirigentes do SINDJUS-MA com o Secretário de Governo Márcio Jerry foi acompanhada pelos presidentes da Força Sindical, Frazão, e da UGT-MA, Weber Henrique Marques.


A GREVE CONTINUA

Nesta quinta-feira, 22, a GREVE GERAL dos servidores do Judiciário continuará a todo vapor, tanto na capital, como em todas as comarcas do interior do estado.

O Comando de Greve do SINDJUS-MA reitera a orientação de que os servidores respeitem a continuidade do serviço público e a manutenção das atividades essenciais em funcionamento para atendimento à população em todas as comarcas do estado, enquanto durar a greve geral da categoria pelo pagamento das perdas inflacionárias de 6,3%.

Em São Luís, o ponto de encontro nesta quinta-feira será em frente ao Fórum Desembargador Sarney Costa, no Bairro do Calhau. "Uma nova passeata e/ou carreata já está sendo preparada pelo comano de greve para a próxima semana. Pedimos a todos os servidores do Judiciário maranhense que aguardem mais informações sobre as próximas atividades da greve, através do site do SINDJUS-MA", finalizou Aníbal Lins.
A reunião com o governo do estado aconteceu somente após a grande passeata realizada pelas ruas do Centro de São Luís
A Passeata da Vitória realizada na manhã de hoje, 21, pelos servidores do Judiciário do Maranhão, pelas ruas de São Luís se encerrou com a Diretoria do Sindicato dos Servidores da Justiça do Maranhão - SINDJUS/MA sendo recebida no Palácio dos Leões pelo Secretário de Articulação Política do Governo do Maranhão, Márcio Jerry, por ordem do governador Flavio Dino (PCdoB), para discutir as reivindicações da categoria.

Os diretores do SINDJUS/MA Pedro Davi, Janira Teixeira, Rivelino Pereira e Aníbal Lins trataram com o Secretário Márcio Jerry sobre o pedido de suplementação orçamentária de 48 milhões de reais feito pela Presidência do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) para pagar as perdas inflacionárias dos servidores do Judiciário, referentes ao período de janeiro a dezembro de 2014, motivo da greve geral da categoria, que completou hoje o seu oitavo dia.

De acordo com o secretário Márcio Jerry, o governo do estado este ano já suplementou o orçamento do TJMA por mais de uma vez, razão pela qual tem dificuldades de fazer uma nova suplementação ainda que pagar a reposição das perdas inflacionárias reivindicadas pelos servidores em greve.

Segundo Márcio Jerry, o governo disponibilizará ao SINDJUS-MA cópias de todos os documentos que comprovam o montante de recursos suplementados para o orçamento do Tribunal de Justiça este ano para as providências que o sindicato julgar cabíveis.

MESA DE NEGOCIAÇÃO

Diante do exposto pelo Secretário de Governo, os dirigentes do SINDJUS-MA sugeriram a formação de uma mesa de negociação tri-partite, composta por representantes do Executivo, do Tribunal de Justiça e do Sindicato, com o objetivo de encontrar uma solução para o problema que levou os servidores do Judiciário a deflagrarem greve geral.

Segundo o Presidente do SINDJUS-MA, Aníbal Lins, o Tribunal de Justiça pagou 14,6% de reajuste dos subsídios dos juízes e, até o momento, não pagou a reposição inflacionária dos servidores no índice de 6,3%, sob a alegação de não ter orçamento para isso. “Mas existem procedimentos estabelecidos na Lei de Responsabilidade Fiscal visando garantir as condições orçamentárias para que os entes públicos não deixem de cumprir com a sua obrigação constitucional de repor as perdas inflacionárias dos servidores e nem descumprir as decisões judiciais. Dentre esses procedimentos estão a suspensão de novas contratações, o que no nosso entendimento inclui a nomeação de novos magistrados, e o enxugamento do quadro comissionado”, disse o sindicalista.

O presidente do SINDJUS-MA, Aníbal Lins foi enfático ao defender a proposta dos servidores do judiciário. "A nossa proposta é que o governo , TJ e Sindicato sentem para discutir a possibilidade do Tribunal de Justiça realizar ajustes no seu próprio orçamento, nos termos estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, de modo a garantir as condições necessárias de pagamento das nossas Perdas Inflacionárias. Se mesmo assim não houver condições do Tribunal de Justiça arcar sozinho com essa obrigação constitucional, então que o Executivo informe como fará para suplementar o que faltar no orçamento do TJ. De nossa parte, estamos abertos a contribuir para uma solução razoável para o problema. Porém que resguarde um direito constitucional dos servidores, assegurado também pela Lei de Responsabilidade Fiscal", disse.

Aníbal Lins informou ainda que, na próxima quinta-feira (29/10), o TJMA tem reunião agendada da comissão responsável por deliberar sobre o envio do projeto de lei das Perdas Inflacionárias dos servidores para a Assembleia Legislativa. "Até lá, poderíamos nos reunir para encontrar uma solução para o problema", completou.

O Secretário Márcio Jerry se dispôs a conversar com a SEPLAN (Secretaria Estadual de Planejamento) e a direção do Tribunal de Justiça e com o próprio SINDJUS-MA, no intuito de tentar construir uma solução de consenso para o problema. Mas, além de frisar que o Governo do Maranhão já realizou várias suplementações este ano para o Tribunal de Justiça, atravessa, no momento, uma queda da sua arrecadação, o que dificulta o atendimento imediato desse novo pedido de suplementação feito pelo Judiciário.

Os sindicalistas agradeceram a oportunidade do encontro e ficarão no aguardo do retorno do Secretário Márcio Jerry, após contatos deste com a direção do Tribunal de Justiça e com a SEPLAN.

A reunião dos dirigentes do SINDJUS-MA com o Secretário de Governo Márcio Jerry foi acompanhada pelos presidentes da Força Sindical, Frazão, e da UGT-MA, Weber Henrique Marques.


A GREVE CONTINUA

Nesta quinta-feira, 22, a GREVE GERAL dos servidores do Judiciário continuará a todo vapor, tanto na capital, como em todas as comarcas do interior do estado.

O Comando de Greve do SINDJUS-MA reitera a orientação de que os servidores respeitem a continuidade do serviço público e a manutenção das atividades essenciais em funcionamento para atendimento à população em todas as comarcas do estado, enquanto durar a greve geral da categoria pelo pagamento das perdas inflacionárias de 6,3%.

Em São Luís, o ponto de encontro nesta quinta-feira será em frente ao Fórum Desembargador Sarney Costa, no Bairro do Calhau. "Uma nova passeata e/ou carreata já está sendo preparada pelo comano de greve para a próxima semana. Pedimos a todos os servidores do Judiciário maranhense que aguardem mais informações sobre as próximas atividades da greve, através do site do SINDJUS-MA", finalizou Aníbal Lins.










































Reunião com o governo do estado aconteceu somente após a grande passeata realizada pelas ruas do Centro de São Luís
A Passeata da Vitória realizada na manhã de hoje, 21, pelos servidores do Judiciário do Maranhão, pelas ruas de São Luís se encerrou com a Diretoria do Sindicato dos Servidores da Justiça do Maranhão - SINDJUS/MA sendo recebida no Palácio dos Leões pelo Secretário de Articulação Política do Governo do Maranhão, Márcio Jerry, por ordem do governador Flavio Dino (PCdoB), para discutir as reivindicações da categoria.

Os diretores do SINDJUS/MA Pedro Davi, Janira Teixeira, Rivelino Pereira e Aníbal Lins trataram com o Secretário Márcio Jerry sobre o pedido de suplementação orçamentária de 48 milhões de reais feito pela Presidência do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) para pagar as perdas inflacionárias dos servidores do Judiciário, referentes ao período de janeiro a dezembro de 2014, motivo da greve geral da categoria, que completou hoje o seu oitavo dia.

De acordo com o secretário Márcio Jerry, o governo do estado este ano já suplementou o orçamento do TJMA por mais de uma vez, razão pela qual tem dificuldades de fazer uma nova suplementação ainda que pagar a reposição das perdas inflacionárias reivindicadas pelos servidores em greve.

Segundo Márcio Jerry, o governo disponibilizará ao SINDJUS-MA cópias de todos os documentos que comprovam o montante de recursos suplementados para o orçamento do Tribunal de Justiça este ano para as providências que o sindicato julgar cabíveis.

MESA DE NEGOCIAÇÃO

Diante do exposto pelo Secretário de Governo, os dirigentes do SINDJUS-MA sugeriram a formação de uma mesa de negociação tri-partite, composta por representantes do Executivo, do Tribunal de Justiça e do Sindicato, com o objetivo de encontrar uma solução para o problema que levou os servidores do Judiciário a deflagrarem greve geral.

Segundo o Presidente do SINDJUS-MA, Aníbal Lins, o Tribunal de Justiça pagou 14,6% de reajuste dos subsídios dos juízes e, até o momento, não pagou a reposição inflacionária dos servidores no índice de 6,3%, sob a alegação de não ter orçamento para isso. “Mas existem procedimentos estabelecidos na Lei de Responsabilidade Fiscal visando garantir as condições orçamentárias para que os entes públicos não deixem de cumprir com a sua obrigação constitucional de repor as perdas inflacionárias dos servidores e nem descumprir as decisões judiciais. Dentre esses procedimentos estão a suspensão de novas contratações, o que no nosso entendimento inclui a nomeação de novos magistrados, e o enxugamento do quadro comissionado”, disse o sindicalista.

O presidente do SINDJUS-MA, Aníbal Lins foi enfático ao defender a proposta dos servidores do judiciário. "A nossa proposta é que o governo , TJ e Sindicato sentem para discutir a possibilidade do Tribunal de Justiça realizar ajustes no seu próprio orçamento, nos termos estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, de modo a garantir as condições necessárias de pagamento das nossas Perdas Inflacionárias. Se mesmo assim não houver condições do Tribunal de Justiça arcar sozinho com essa obrigação constitucional, então que o Executivo informe como fará para suplementar o que faltar no orçamento do TJ. De nossa parte, estamos abertos a contribuir para uma solução razoável para o problema. Porém que resguarde um direito constitucional dos servidores, assegurado também pela Lei de Responsabilidade Fiscal", disse.

Aníbal Lins informou ainda que, na próxima quinta-feira (29/10), o TJMA tem reunião agendada da comissão responsável por deliberar sobre o envio do projeto de lei das Perdas Inflacionárias dos servidores para a Assembleia Legislativa. "Até lá, poderíamos nos reunir para encontrar uma solução para o problema", completou.

O Secretário Márcio Jerry se dispôs a conversar com a SEPLAN (Secretaria Estadual de Planejamento) e a direção do Tribunal de Justiça e com o próprio SINDJUS-MA, no intuito de tentar construir uma solução de consenso para o problema. Mas, além de frisar que o Governo do Maranhão já realizou várias suplementações este ano para o Tribunal de Justiça, atravessa, no momento, uma queda da sua arrecadação, o que dificulta o atendimento imediato desse novo pedido de suplementação feito pelo Judiciário.

Os sindicalistas agradeceram a oportunidade do encontro e ficarão no aguardo do retorno do Secretário Márcio Jerry, após contatos deste com a direção do Tribunal de Justiça e com a SEPLAN.

A reunião dos dirigentes do SINDJUS-MA com o Secretário de Governo Márcio Jerry foi acompanhada pelos presidentes da Força Sindical, Frazão, e da UGT-MA, Weber Henrique Marques.


A GREVE CONTINUA

Nesta quinta-feira, 22, a GREVE GERAL dos servidores do Judiciário continuará a todo vapor, tanto na capital, como em todas as comarcas do interior do estado.

O Comando de Greve do SINDJUS-MA reitera a orientação de que os servidores respeitem a continuidade do serviço público e a manutenção das atividades essenciais em funcionamento para atendimento à população em todas as comarcas do estado, enquanto durar a greve geral da categoria pelo pagamento das perdas inflacionárias de 6,3%.

Em São Luís, o ponto de encontro nesta quinta-feira será em frente ao Fórum Desembargador Sarney Costa, no Bairro do Calhau. "Uma nova passeata e/ou carreata já está sendo preparada pelo comano de greve para a próxima semana. Pedimos a todos os servidores do Judiciário maranhense que aguardem mais informações sobre as próximas atividades da greve, através do site do SINDJUS-MA", finalizou Aníbal Lins.